quarta-feira, 21 de junho de 2017

UM ESTADO DE LIBERDADE / FREE STATE OF JONES (2016) - ESTADOS UNIDOS





A Guerra Civil Americana do ponto de vista de um personagem histórico

Newton Knight (Matthew McConaughey) é um soldado confederado na Guerra de Secessão americana. Desiludido, resolve desertar e voltar às suas terras vivendo escondido. Ao presenciar o exército saqueando a fazenda de uma mulher com seus filhos pequenos, decide impedir que o fato se repita e confronta o grupo de soldados liderados pelo tenente  Barbour (Bill Tangradi), que abdica do confronto imediato e inicia uma caçada a Newton que o obriga a refugiar-se nos pântanos com escravos fugitivos, forçando sua esposa Serena (Keri Russell) a abandonar a cidade pela segurança da família.



 
Newton, ao invés de ficar escondido, resolve confrontar as forças locais e dar um basta nos saques "autorizados", principalmente de comida, sob forma de cobrança de impostos  e subsídios para manter o exército. Com o apoio de desertores que percebem que seu exército será vencido em breve e de fazendeiros que perderam tudo, Newton forma um mini exército que começa a ter sucesso em seus confrontos. Logo é instaurado o "Estado Livre de Jones" que abriga desertores, escravos e opositores da Confederação. Enquanto lidera seu grupo, Newton passa a nutrir sentimentos pela escrava Rachel (Gugu Mbatha-Raw), sendo correspondido. Mas o Major Amos McLemore (Thomas Francis Murphy) fará de tudo para capturar Newton e seus "rebeldes" e recuperar os territórios perdidos.



O Estado da Liberdade parece basear-se nos livros "The Free State of Jones: Mississippi's Longest Civil War" de Victoria E. Bynum e "The State of Jones: The Small Southern County that Seceded from the Confederacy"  de Sally Jenkins e John Stauffer que conta a saga de Newton Knight  que de desertou e passou a ser um dos personagens mais importantes da Guerra Civil Americana (12 de abril de 1861 a 22 de junho de 1865), um confronto que ceifou a vida de mais de 600.000 mortos (no Vietnã estimou-se 58.000 mortes).



O filme, dirigido por Gary Ross (de "Jogos Vorazes" e "A Vida em Preto e Branco") tem um ritmo bem cadenciado, onde optou-se por colocar uma boa quantidade de informações para nutrir seus espectadores: o cerco de Cortinth (ou a batalha de Corinth) que provocou a deserção de Newton; o confronto com as forças internas de seu próprio exército; sua fuga; seus primeiros contatos com Rachel; seu grupo de rebeldes que enfrentam a confederação; a criação do "Estado Livre de Jones"; o fim da guerra e as contínuas segregações sociais que ocorreram no Sul dos Estados Unidos (o lado perdedor da guerra).



Nem todos os personagens do filme existiram (e nem todos os eventos foram apresentados). Alguns foram a condensação de vários personagens como o escravo Moses (Mahershala Ali) e o Tenente Babour. Outros sofreram algumas modificações como a esposa de Newton, Serena. O casal teve ao todo nove filhos e no filme nos é apresentado apenas um. Com Rachel teria tido 5 filhos ao todo e não apenas um como mostrado. Outros eventos, conforme os livros, realmente ocorreram: o ataque na igreja, o confronto com o Major (mas não a forma da morte deste), a questão do relacionamento inter-racial entre Newton e Rachel, aqueles que se negaram a ir a guerra foram considerados traidores, a lei que protegia os ricos de servirem (quem tivesse mais de 20 escravos) e a questão da corte de 1948 onde um dos descendentes do casal que vai a julgamento.



Quanto a essa quesito, em particular, o filme não foi feliz. Inseriu a questão de um modo estranho e causará confusão a quem o assistir. Portanto segue uma explicação: em 1948 a corte do Mississippi levou a julgamento Davis Knight (descendente de Newton)  por desposar Junie Lee Spradley e cometer o Crime de Miscigenação. A corte considerava que se uma pessoa tivesse 1/8 de ancestrais afro descendentes seria considerado "negro" e não poderia casar-se com pessoas pessoas consideradas “brancas”.  Logo, o filme transita entre o passado (de Newton e Rachel) e o presente (em 1948), mostrando que 83 anos depois dos eventos a América, principalmente o Sul, ainda era fortemente segregadora.



Se o filme se prende em demasia a alguns fatos que poderiam ser simplificados, seu elenco não economizou nas ótimas atuações. Destaque para o trio Matthew McConaughey (de Clube de Compras Dallas), Gugu Mbatha-Raw (Um Homem Entre Gigantes) e Mahershala Ali (Moonlight: Sob a Luz do Luar). O restante do elenco está muito bem.



É um filme sobre liberdades, segregação, guerra, maldade e justiça. Sobre como um homem pode fazer a diferença. Pode funcionar junto a outras produções como "Lincoln", "Tempo de Glória", "E o Vento Levou", "Marcha de Heróis", "Dança com Lobos" ... para quem quer entender um pouco dessa guerra que tanto encanta até hoje. É um filme longo (2h19min), mas é bem estruturado e com ótima fotografia. Aborda a vida  de Newton Knight e sua luta pela liberdade. Produção de qualidade que prende até o final e com uma estupenda performance do trio central.






Trailer:





Curiosidades:

Matthew McConaughey ganhou o Oscar de Melhor Ator por Clube de Compras Dallas (2013).

Mahershala Ali ganhou o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por Moonlight: Sob a Luz do Luar (2016).

Felicity  ganhou um Globo de Ouro pela série Felicity.

O filme custou US$ 50.000,00  e arrecadou menos da metade.

Eunice Smith, descendente de Newton, participou como extra no filme.

Keri Russell e Christopher Berry fizeram "Planeta dos Macacos: O Confronto" (2014).

Thomas Francis Murphy e Christopher Berry fizeram "12 Anos de Escravidão" (2013).

A canção que toca durante a tempestade na plantação chama-se"What Must Be Done". Foi composta por Nick Cave e Warren Ellis e utilizada também na trilha sonora de "O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford" (2007).

O filme se passa nos anos de: 1862, 1863, 1864, 1865, 1868, 1875, 1876 e 1948.

Entendendo a Guerra Civil Americana:

Premiações:
Georgia Film Critics Association (GFCA) 2017
New York Film Critics, Online 2016 



Filmografia Parcial:

Matthew McConaughey

 










O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno (1994); Lone Star - A Estrela Solitária (1996); Tempo de Matar (1996); Contato (1997); Amistad (1997); Newton Boys - Irmãos Fora-da-Lei (1998); Ed TV (1999); U-571: A Batalha do Atlântico (2000); O Casamento dos Meus Sonhos (2001); A Mão do Diabo (2001); Reino de Fogo (2002);Sahara (2005); Somos Marshall (2006); Trovão Tropical (2008); Minhas Adoráveis Ex-Namoradas (2009); Killer Joe - Matador de Aluguel (2011); Clube de Compras Dallas (2013); O Lobo de Wall Street (2013); Um Estado de Liberdade (2016); A Torre Negra (2017).
 
Mahershala Ali













The 4400  (seriado 2003-2004); O Curioso Caso de Benjamin Button (2008); Território Restrito (2009); Predadores (2010); O Lugar Onde Tudo Termina (2012); Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1 (2014); Jogos Vorazes: A Esperança - O Final (2015); Um Estado de Liberdade (2016); Moonlight: Sob a Luz do Luar (2016); Luke Cage  (seriado 2016); Estrelas Além do Tempo (2016); Roxanne Roxanne (2017) 


Gugu Mbatha-Raw
 












Olho por Olho (2007); Doctor Who (seriado 2007); Larry Crowne: O Amor  Está de Volta (2011); O Estranho Thomas (2013); Um Homem Entre  Gigantes (2015); Um Estado de Liberdade (2016); A Bela e a Fera (2017); Cloverfield Movie (2017); Uma Dobra no Tempo (2018)  


Keri Russell

 










Querida! Estiquei o Bebê (1992); Fomos Heróis (2002); Felicity (1998-2002); A Outra Face da Raiva (2005); Missão: Impossível 3 (2006); O Som do Coração (2007); Irmãos de Sangue (2009); Ovelha Negra (2012); Planeta dos Macacos: O Confronto (2014); Um Estado de Liberdade (2016);

Bill Tangradi

 









Argo (2012); A Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 2 (2012); Um Estado de Liberdade (2016); Brimstone (2016); Twin Peaks (seriado 2017); Desolate (2017)



Fontes: 
The Guardian
IMDB
Hollywood Reporter.com

terça-feira, 20 de junho de 2017

UM HOMEM CHAMADO OVE / EN MAN SOM HETER OVE (2015) - SUÉCIA






Redescobrindo a vida

Ove Lindahl (Rolf Lassgård) é um senhor de 59 anos que recebe a notícia de que, após 43 anos de dedicação à empresa, está sendo dispensado. Atuando também como administrador de um condomínio de casas onde vive, é conhecido por ser uma pessoa nitidamente rabugenta, mal humorada, sem paciência com outras pessoas, metódico e irônico em seus comentários. Acha que todos são estúpidos e indolentes. Divide seu tempo em tentar se fazer ouvir e visitar o túmulo da falecida esposa com quem conversa sobre seus desafetos cotidianos. Mas Ove tem uma outra faceta oculta: é um suicida em potencial e está decidido a por fim em sua vida para encontrar sua amada. Só que a chegada de novos vizinhos mudará a vida deste senhor de um modo como jamais imaginara.


Um Homem Chamado Ove é uma grata surpresa, vinda da Suécia, que concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro de 2017. Podemos conceituá-lo como uma celebração à vida. Narrada com uma sensibilidade ímpar pelo diretor Hannes Holm, que também escreveu o roteiro a partir do livro de Fredrik Backman, nos mostra, aos poucos, o que aconteceu na vida deste senhor para torná-lo de tão difícil convivência. Um homem que odeia a tudo e a todos, mas que ao longo do filme conquistará o coração de seus pares e do público, ao ir se "humanizando" novamente e nos brindando com mensagens de amor e de vida de uma forma muito sensível.


Essa mistura de comédia fina com drama ficou de ótimo gosto. O filme transita entre o presente do intolerável Ove com o passado de um homem que encontrou a felicidade e a  dureza que uma vida pode proporcionar a uma pessoa. Através da memória deste jovem ancião (não pela idade mas pelo ótimo  efeito de maquiagem) vemos um envolvente personagem como muitas pessoas que conhecemos no nosso cotidiano, mas que não temos a oportunidade de espiar o que os tornaram assim. 


O filme apresenta várias críticas acerca da sociedade sueca: o despreparo das empresas para lidar com pessoas com necessidades especiais, o despreparo das empresas ao despedirem as pessoas, ética no trabalho. A questão dos imigrantes na Europa ... tudo de uma forma bem sutil e sensível. 



Quando espiamos um pouco da vida de Ove, antes de sua falecida esposa Sonja (pronuncia-se "Sonia"), o filme cresce e mostra uma vida cheia de possibilidades: aquele amor verdadeiro entre duas pessoas, seus momentos de felicidade. O espectador até esquece do Ove atual: deprecivo, suicida (que rende cenas muito engraçadas), mas sua vida começa a mudar a partir da chegada do casal de imigrantes. 
Ove tem seus defeitos, mas também qualidades: não é racista, prova-se um homem que gosta dos animais e é capaz de ajudar uma pessoa quando todos não sabem como proceder. E a chegada desse casal, em especial da muçulmana Parvaneh (da ótima atriz irariana Bahar Pars), o força a interagir novamente com as pessoas e a medida que os laços se estreitam, um novo Ove nos é apresentado. Ele começa a mudar gradualmente de atitude e começa a tocar a vida dos que os cercam. Parvaneh é a força motriz do filme: inteligente, decidida, simpática, mas como todas as pessoas tem seus medos e problemas.


Um Homem Chamado Ove é para quem curte filmes que fujam do estilo Holywoodiano com dramas exagerados, heróis imponentes, sociedade doentia ... É voltado às pessoas com sensibilidade para compreender o âmago humano. Para quem não se importa de assistir filmes com um ritmo mais cadenciado (sem nunca ser cansativo) e para os que gostam de ver produções europeias de qualidade. É um filme que acrescenta, faz pensar, diverte, emociona e nos mostra que ótimas produções estão aí, esperando que alguém as descubram.


Trailer:

 


Curiosidades:

Lançado em originalmente em 2015, concorreu ao Oscar de 2017 nas categorias  Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Maquiagem

O ator Filip Berg interpreta o jovem Ove

Fotografia Goran Hallberg (O Centenário Que Fugiu Pela Janela e Desapareceu) 

O Livro:

 









Trilha Sonora:
Forever and Ever interpretada por Demis Roussos
Always On My Mind interpretada por Willie Nelson
En stund på jorden interpretada por Laleh (Laleh Pourkarim)
Blott en dag interpretada por  Stockholms Symfoniorkester (Stockholm Symphony Orchestra)  
Var är tvålen? interpretada por  Povel Ramel
Suite Bergamasque: Clair de lune (de Debussy)
Din skugga stannar  interpretada por kvar Lillemor 'Lill' Lindfors
 

sexta-feira, 16 de junho de 2017

EXPRESSO DO AMANHÃ / SNOWPIERCER (2013) - CORÉIA DO SUL / REPÚBLICA CHECA / ESTADOS UNIDOS / FRANÇA






O trem da vida

O Aquecimento Global tornou-se crítico. Cientistas lançam na atmosfera uma substância a fim de reverterem ou amenizarem esses efeitos. Algo dá muito errado e a terra entra em uma era glacial, erradicando quase todos os seres humanos. Alguns conseguem embarcar em um supertrem, que fora construído como uma espécie de arca que dá voltas em torno do planeta, à procura de vida ou alguma evidência de que pode-se habitá-lo novamente. A ação se inicia 17 anos depois com Curtis (Chris Evans) e  Gilliam (John Hurt),  que vivem na parte de trás do imenso trem, em condições sub-humanas, e sofrendo todo tipo de opressão junto com uma multidão de famintos. Mas a dupla planeja escapar do local para tentar chegar na parte da frente e confrontar Wilford, o homem que comanda a todos no trem.





Um grupo saindo da parte de trás de um trem para chegar na frente? Parece uma premissa ruim. Apenas parece. À medida que o filme evolui percebemos uma forte crítica ao sistema de classes ou, em outras culturas, ao sistema de castas. Baseado na Graphic Novel Francesa "Le Transperceneige", de Jacques Lob, “Expresso do Amanhã” nos traz uma reflexão bem interessante da sociedade em que vivemos. De acordo com que Curtis avança com seu grupo, tem que lidar com várias frentes: soldados treinados, exércitos de assassinos, pessoas vivendo tranquilamente, e até doutrinamento escolar. Tudo isso de uma forma bem exagerada, frente ao cinema americano, lembrando que estamos falando de uma produção Coreana.




As cenas de ação são muito bem feitas e o uso do slow montion (ou câmera lenta para alguns) acentua a violência (até excessiva) com direito a sangue em profusão, mas Curtis não conseguirá passar de fase (quero dizer, de vagão) sem perdas. E a cada etapa o espectador pode refletir sobre nossa sociedade, que trata os menos favorecidos de uma forma bem deplorável e segregadora. É a elite vivendo uma vida confortável e luxuosa, relegando a outros as tarefas pesadas sob parcas condições. Os brasileiros vão se identificar muito com esse filme, onde alguns não tem assistência médica, ensino e nem alimentos dignos (e essa última parte me lembrou muito o filme "No Mundo de 2020). Wilford é o Estado. Ele define o que é bom ou ruim. Quem fica atrás do vagão e quem fica nas partes posteriores com seus privilégios. E quem está em melhores condições não quer saber o que ocorre no fundo do vagão. Fundamental é ter uma vida confortável.




Enquanto dá quatro voltas no planeta ao ano (e sim, há ferrovias para tal no filme), as pessoas menos favorecidas nascem, morrem, sofrem e recebem sua horrível barra de cereal (cortesia do "Estado"), mas não veem a elite, somente soldados liderados por uma tirana e sádica mulher chamada Mason (Tilda Swinton irreconhecível) que vive conclamando que todos deve saber o seu lugar. Curtis resolve enfrentar o Status Quo. Chega de dominação, chega de viver em condições sub-humanas. Para conseguir seu intento, vai arriscar tudo. Mas será que Wilford é um homem despreparado? Por que será que ele criou tal sistema, tão bom para alguns e tão ruim para outros? O diretor Bong Joon Ho (que assinava Joon Ho Bong) nos mostra que segredos vão sendo revelados e tudo que deixava o espectador com a sensação de uma estória sem sentido, começa a se revelar e estar bem atento é primordial para se compreender alguns pontos. 





O elenco está ótimo. Chris Evans mais conhecido por ser o “Capitão América” nos atuais filmes da Marvel tem uma atuação sólida. Seu personagem vai criando um misto de revolta e incredulidade com que descobre. John Hurt (de filmes como “O Homem Elefante” e “1984”) tinha sempre aquela atuação sóbria e elegante e aqui não foi diferente. Coube a Tilda Swinton interpretar uma personagem irritante, odiosa e, ao mesmo tempo, engraçada, nos mostrando que todos tem um papel nessa sociedade sob os trilhos. Octavia Spencer (de “A Cabana” e “Estrelas Além do Tempo”), mostra que é uma ótima atriz que vem fazendo ótimos interpretações a cada ano. Ed Harris dispensa comentários. É um ator que consegue se impor em qualquer filme que atua, conseguindo roubar a maioria das cenas em que aparece. O restante do elenco dá conta do recado sem comprometer.




É um filme rodeado de metáforas, mas com uma originalidade ímpar. É para se pensar em como a humanidade está se fragmentando socialmente. Em como estamos degradando o meio ambiente com agentes poluentes. Expresso do Amanhã não é uma visão do que é o certo ou errado na sociedade, mas faz pensar através de sua visão sobre o assunto em meio a algumas situações bem absurdas (propositadamente exageradas). Filme para quem gosta de pensar após os créditos e não para quem quer um filme escapista de rápido esquecimento. Vale a olhada.

Trailer:


Curiosidades: 
Ed Harris já foi indicado 4 vezes ao Oscar: Apollo 13 - Do Desastre ao Triunfo (1995); O Show de Truman (1998); Pollock (2000); As Horas (2002).

John Hurt (1940–2017) teve indicações ao Oscar por O Expresso da Meia-Noite (1978) e O Homem Elefante (1980).

Tilda Swinton ganhou o Oscar de Melhor Ariz Coadjuvante por Conduta de Risco (2007)

Octavia Spencer ganhou o Oscar por Histórias Cruzadas (2011)

Há uma pequena animação criada contando como tudo começou




Filmografia Parcial:


Chris Evans

 











Não é Mais um Besteirol Americano (2001); Celular: Um Grito de Socorro (2004); Quarteto Fantástico (2005); Sunshine - Alerta Solar (2007); Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado (2007); Os Reis da Rua (2008); Heróis (2009); Código de honra (2011); Capitão América: O Primeiro Vingador (2011); The Avengers: Os Vingadores (2012); O Homem de Gelo (2012); Capitão América 2: O Soldado Invernal (2014); Vingadores: Era de Ultron (2015); Capitão América: Guerra Civil (2016); Homem-Aranha: De Volta ao Lar (2017); Vingadores - Guerra Infinita (2018)

Ed Harris

 









Coma (1978); A Fronteira (1980); Cavaleiros de Aço (1981); Creepshow: Show de Horrores (1982); Os Eleitos - Onde o Futuro Começa (1983); A Baía do Ódio (1985); Walker (1987); Paris Trout (1991); O Sucesso a Qualquer Preço (1992); A Firma (1993); Apollo 13 - Do Desastre ao Triunfo (1995); A Rocha (1996); Poder Absoluto (1997); O Show de Truman (1998); Círculo de Fogo (2001); Uma Mente Brilhante (2001); As Horas (2002); Meu Nome é Radio (2003); O Segredo de Beethoven (2006); Medo da Verdade (2007); A Lenda do Tesouro Perdido: Livro dos Segredos (2007); Appaloosa - Uma Cidade Sem Lei (2008); Sem Dor, Sem Ganho (2013); Expresso do Amanhã (2013); Tempestade: Planeta em Fúria (2017)

John Hurt

 









O Homem Que Não Vendeu Sua Alma (1966); A Lenda da Flauta Mágica (1972); O Expresso da Meia-Noite (1978); Alien, o Oitavo Passageiro (1979); O Homem Elefante (1980); O Casal Osterman (1983); 1984 (1984); S.O.S. - Tem um Louco Solto no Espaço (1987); Escândalo - A História que Seduziu o Mundo (1989); Frankenstein - O Monstro das Trevas (1990); Rei Por Acaso (1991); Rob Roy: A Saga de uma Paixão (1995); Contato (1997); Rota de Fuga (1999); O Capitão Corelli (2001); Hellboy (2004); A Chave Mestra (2005); Tiros em Ruanda (2005); V de Vingança (2005); Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (2008); Hellboy II: O Exército Dourado (2008); Outlander: Guerreiro vs Predador (2008); Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1 (2010); Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2 (2011); Imortais (2011); Expresso do Amanhã (2013); Hércules (2014).
 

Tilda Swinton

 










Caravaggio (1986); O Jardim (1990); Eduardo II (1991); Orlando - A Mulher Imortal (1992); Zona de Conflito (1999); A Praia (2000); Vanilla Sky (2001); A Confissão (2003); Constantine (2005); As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa (2005); As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian (2008); O Curioso Caso de Benjamin Button (2008); As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada (2010); Precisamos Falar Sobre o Kevin (2011); Expresso do Amanhã (2013); Doutor Estranho (2016); War Machine (2017); Suspiria (2017); Okja (2017)


Octavia Spencer

 









Tempo de Matar (1996); Nunca Fui Beijada (1999); Quero Ser John Malkovich (1999); Na Mira do Inimigo (2000); Homem-Aranha (2002); Coach Carter: Treino para a Vida (2005); Baila Comigo (2005); Miss Simpatia 2: Armada e Poderosa (2005); Arraste-me para o Inferno (2009); H2: Halloween 2 (2009); Um Jantar para Idiotas (2010);Histórias Cruzadas (2011); Expresso do Amanhã (2013); A Série Divergente: Insurgente (2015); A Série Divergente: Convergente (2016); Papai Noel às Avessas 2 (2016); Estrelas Além do Tempo (2016); A Cabana (2017); A Série Divergente: Ascendente (2017).

Jamie Bell 










Billy Elliot (2000); Contra Corrente (2004); King Kong (2005); A Conquista da Honra (2006); Jumper (2008); Um Ato de Liberdade (2008); A Legião Perdida (2011); À Beira do Abismo (2012); Expresso do Amanhã (2013); Ninfomaníaca: Volume 2 (2013); Quarteto Fantástico (2015); 6 Days (2017)