sábado, 5 de maio de 2018

A MARCA DO ZORRO / THE MARK OF ZORRO (1974) - ESTADOS UNIDOS






UM ZORRO NA MEDIDA

Nos idos de 1840, Don Diego (Frank Langella) é mandado a Espanha para estudos onde se torna um exímio espadachim. Ao saber que as coisas não andam boas nas terras de seu pai, ele retorna à Califórnia para fazer uma visita e ficar a par dos acontecimentos. Quando chega na casa do Alcaide, que era de seu pai, percebe que esta está agora ocupada por um tirano chamado Don Luis Quintero (Robert Middleton) e sua esposa Inez (Louise Sorel) e que são assessorados pelo impiedoso Capitão Esteban (Ricardo Montalban). Don Diego rapidamente muda de postura e se apresenta como um homem que frequenta a requintada corte da Espanha e adepto de frivolidades, pouco interessado nos acontecimentos fora de seu meio. Ao chegar em casa conversa com sua mãe Isabella (Yvonne De Carlo) e encontra o seu pai Don Alejandro Vega  (Gilbert Roland) cercado de proprietários de terra que desejam depor Quinteiro. Don Diego percebe que deve manter a farsa e, diante da recusa de seu pai em abraçar a causa, resolve usar as vestimentas do Zorro, um herói lendário quase esquecido.



Versão para tv, em papel carbono, do clássico, A Marca do Zorro,  de 1940 interpretado por Tyrone Power. Este novo A Marca do Zorro trouxe como protagonista Frank Langella que vinha de elogiados papéis na Broadway e que em 1979 faria o também elogiado Drácula. O diretor  Don McDougall (1917–1991) sempre esteve a frentes das câmeras em filmes para tv  e episódios de séries ("Mulher Maravilha", "Planeta dos Macacos", "O Homem de Seis Milhões de Dolares", "Bonanza"...) e em 1h e 18min resolveu refilmar um clássico. E até que se saiu muito bem. McDougall deu um bom ritmo, apoiado em um montagem dinâmica e auxiliado por um elenco bem afinado.


A História é bem clássica: Em um lugar de tirania, surge um justiceiro mascarado munido de uma vestimenta negra, uma grande habilidade no manejo da espada e um cavalo veloz. A idéia era até interessante: revitalizar a série "Zorro" que fizera estrondoso sucesso com Guy Williams com um chamado "backdoor pilot" que é quando se realiza um telefilme e se este possuir uma audiência for boa, pode ser transformado em série. Nessa categoria nem todos os personagens podem ser aproveitados na série, ou seja, é uma tentativa de lançar um filme e ver se aquele personagem (já existente) ainda é atrativo o suficiente para gerar uma nova franquia e aí poderá vir em outro modelo e atores. Diferente de um episódio piloto que é  a produção do primeiro episódio de uma série e apresentado a emissora que pode dar o aval ou não para a continuidade.


Este Zorro tem fatores bem interessantes que os distingue dos demais: é mais sério, ao contrário das versões anteriores que usavam o humor em algumas cenas. Frank Langella está ótimo e consegue até nos fazer esquecer do ótimo trabalho de Tyrone Power. Ele é um Don Diego engraçado e um Zorro sério. O mexicano Ricardo Montalban sempre entregou ótimas performances. Durante boa época foi uma espécie de "Latin Lover" do cinema, mas para quem o assistiu entre os anos 70 e 80 se lembrará dele como o Sr Roarke, do memorável seriado "Ilha da Fantasia  (1977-1984), além do inesquecível vilão de "Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan". Comparar Montalban com Basil Rathbone,  da versão de 1940, é muito complicado. Ambos tem suas qualidades reconhecidas por gerações distintas, mas ainda Montalban esteja ótimo, Basil teve um roteiro melhor para desenvolver seu personagem (até porque a versão de 40 é um longa para o cinema). Yvonne De Carlo (1922–2007) foi uma conhecidíssima atriz dos anos de ouro de Hollywood, mas o "mais novos" se lembrarão dela no famoso seriado "Os Monstros" da década de 60 e no mega sucesso "Os 10 Mandamentos" (1956) como Sephora. A grande surpresa fica pela personagem Teresa vivida ainda pela jovem Anne Archer (a esposa do personagem de Michael Douglas em "Atração Fatal"). Alguns poderão achar o rosto de  Gilbert Roland  (1905–1994) conhecido, provavelmente pelo filme "A Virgem de Fátima" (1952). O restante do elenco está bem, mas faltou a presença do criado mudo que auxilia Zorro em busca de sua justiça: Bernardo. Mas a baixa duração provavelmente foi um fator decisivo para não agregar mais um personagem à estória


O nome Zorro (que significa "raposa" na tradução) recebe essa alcunha devido o personagem mover-se como o animal, esgueirando-se de seus inimigos com astúcia. E não foram poucos que encarnaram os personagens: Alain Delon, Douglas Fairbanks, Guy Williams, Antonio Bandeiras, Tyrone Power ... além de centenas de filmes de várias nacionalidades com o herói. Houve, inclusive,  no Brasil um seriado com o personagem: "As Aventuras do Zorro" (1969) estrelada por José Paulo de Andrade com a participação de Jardel Filho e Suely Franco. Até Batman foi inspirado neste famoso personagem. Quando Bruce Wayne vê os pais sendo assassinados ele saíra de uma seção de "A Marca do Zorro" com Tyrone Power. Mesmo com Antonio Bandeiras dando uma revitalizada na franquia alguns heróis perderam espaço, mesmo que volta e meia Hollywood tente adaptá-los, sem muito interesse do público, como "Tarzan", "O Fantasma", "O Sombra", 'Simbad", "Robin Hood" ... Por isso os filmes antigos ainda conseguem manter aquela aura de magia que o mundo atual de armas de destruição não possui mais. Aquela ingenuidade do herói que resolvia tudo na espada (e as vezes com uma pistola antiga) não volta mais e a nova geração tem seus próprios heróis mais adaptados a realidade.



Esta versão televisiva de ainda pode manter o interesse daqueles que sentem saudades de um herói de outra época. Sua motivação é universal: um combatente contra as injustiças. Quando vemos um herói atual com uma fantasia combatendo vilões não há como não imaginar que lá no fundo tem alguma essência do Zorro. Filme que vale a pena ser revisto pelo capricho com que cuidaram do personagem, por ser divertido, ter uma estória fiel ao personagem, um pouco tempo de projeção que ajudou muito e um elenco muito bom que deu a consistência que o filme precisava. Para os saudosos da "Sessão da Tarde" que apresentava filmes com ótimas dublagens

Curiosidades

Alcaide era o antigo governador de uma província ou comarca
Frank Langella fez o esqueleto no filme Mestres do Universo (He Man)

Filmografia Parcial:

Frank Langella: 














A Marca do Zorro (1974); Drácula (1979); Mestres do Universo (1987), O Último Portal (1999); Superman: O Retorno (2006); Frost / Nixon (2008), A Caixa (2009): Capitão Fantástico (2016).  

Ricardo Montalban (1920–2009)















Os Três Mosqueteiros (1942); Beijou-me um Bandido (1948); O Preço da Glória (1949); Quando Canta o Coração (1950); A Marca do Renegado (1951); Assim São os Fortes (1951); México de Meus Amores (1953); A Espada Sarracena (1954); Rainha da Babilonia (1954); Sayonara (1957); Algemas Partidas (1960); Rashomon (1960); O Pirata Negro (1961); Mercado de Corações (1963); Crepúsculo de Uma Raça (1964); Madame X (1966); Charity, Meu Amor (1969); Fuga do Planeta dos Macacos (1971); A Conquista do Planeta dos Macacos (1972); A Marca do Zorro (1974); Jornada nas Estrelas II - A Ira de Khan (1982); Um Rally Muito Louco (1984); Corra Que a Polícia Vem Aí! (1988); Pequenos Espiões 2: A Ilha dos Sonhos Perdidos (2002); Pequenos Espiões 3-D: Game Over (2003)    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Cinéfilos.
Obrigado por visitarem minha página.
Estejam à vontade para comentarem, tirarem dúvidas ou sugerirem análises.
Os comentários sofrem análises prévias para evitar spans. Tão logo sejam identificados, publicarei. Quaisquer dúvidas, verifiquem a Política de Conduta do blog.
Sua opinião e comentários são o termômetro do meu trabalho.
Visitem a minha página homônima no Facebook onde coloco muitas curiosidades sobre cinema e algo de séries (se puderem curtir ajudaria)
Bem vindos.
Cinéfilos Para Sempre