quarta-feira, 28 de março de 2018

REENCARNAÇÃO DE PETER PROUD, A / THE REINCARNATION OF PETER PROUD (1975) - ESTADOS UNIDOS





Peter Proud (Michael Sarrazin) é um professor de história que passa a sofrer sonhos, ou alucinações, com o mesmo tema: está nadando quando sua esposa, em um bote, o mata, batendo com um remo em sua cabeça. A situação fica mais complicada porque não é Proud quem está no sonho, mas um casal e um lugar onde nunca ouvira falar. Peter também começa a sentir uma dor no quadril que começa a limitar seus movimentos. Ele  vai ao ortopedista que não identifica nada, nem tampouco seu psicanalista. 


Curioso com seus repetidos sonhos, Peter é encaminhado ao Dr Samuel Goodman (Paul Hecht), um médico que trabalha em uma universidade onde analisa sonhos. Quando Peter começa a citar o termo reencarnação, Goodman acha engraçado e resolver fazer um teste: verificar com um encefalograma como se comportam suas ondas cerebrais nos sonhos. Para sua surpresa, seu paciente sonha, mas o aparelho acusa que seu cérebro não está tendo atividade compatível com o que seria um sonho.



Proud continua com suas dúvidas até que certo dia, assiste pela Tv uma reportagem e reconhece um lago e uma casa. Parte então para o local e descobre que, na década de 40, houve o assassinato de Jeff Curtis (Tony Stephano) e que a principal suspeita seria a esposa, Marcia Curtis (Margot Kidder), apesar de nada ter sido provado. Quando encontra por acaso Ann Curtis (Jennifer O'Neill) a jovem filha de Jeff e Marcia, passa a ter uma sensação de que foi realmente Jeff em outra vida. Ao encontrar Marcia, agora na casa dos 50, suas dúvidas desaparecem por completo, ao mesmo tempo que começa a se apaixonar por Ann.


    
Curioso filme do diretor J. Lee Tompson (Os canhões de Navarone), mais conhecido por ter feitos vários filmes de Charles Bronson. Passa a impressão de ser um filme profundo sobre a reencarnação, mas acaba se transformando em um filme de suspense, com final bem diferente do habitual. É uma versão do best seller de Maz Ehrijch (na época lançado pela editora Civilização Brailseira). O filme carece de seriedade e, quase perto do final, começa a tomar outro rumo mostrando que poderia ser um interessante filme espiritual / sobrenatural, mas em algum momento o filme vira um melodrama barato e às vezes parece um telefilme, com situações desconfortáveis.


          
Os atores estão bem, a montagem de vez em quando escorrega, num roteiro que enfatiza muito a vida sexual dos personagens, com alguns nus (para a época) visando mais o sensacionalismo. Uma boa oportunidade ver Margot Kidder bem nova e bonita e entender porque conseguiria o papel de Lois Lane no filme “Superman”.



O filme não é ruim, é apenas mal finalizado, além de que essa "situação" com a filha foi muito incômoda (e ainda é) se lembrarmos que o filme é de 1975. Prende a atenção e só. Música de Jery Goldsmith.

Trailer:


Curiosidades:
O ator canadense Michael Sarrazin  participou de “A Noite dos Desesperados” (1975), “A invasão II” (1996), “Mudança de Código” (1997). Faleceu em abril de 2011, aos 70 anos, vítima de câncer

 
















Jennifer O'Neill ficou conhecida no Brasil pelo seriado dos anos 80, “Retrato Falado” ao lado de Jon Erik Hexum, falecido durante as filmagens de um episódio. Participou de “Scanners”, “Houve uma Vez um Verão" / Verão de 42” e “Rio Lobo” (com John Wayne)

 




















A atriz canadense Margot Kidder que ficou famosa pela quadrilogia "Superman" com Christopher Reeve foi diagnosticada com transtorno Bipolar,  maníaco depressiva. Participou de filmes como “Horror em Amityville”, “Irmãs Diabólicas”; “Maverick” (não creditada) e “Gritos do Além’ (2005). Na tevê participou de alguns episódios de “Smallville”, ao lado de Christopher Reeve e do seriado, passado na TV Record, “Amazonas” (Peter Benchley's Amazon) e outras séries. Em 2005 tornou-se cidadã americana para protestar contra a invasão no Iraque

 



















Cornelia Sharpe  participou de filmes como “Serpico”, “S*H*E”, ‘Pluto & Nash”.

 















Tony Stephano, nascido Stuart Thomas, teve uma carreira muito curta no cinema, destacando-se apenas “Tron”.

 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Cinéfilos.
Obrigado por visitarem minha página.
Estejam à vontade para comentarem, tirarem dúvidas ou sugerirem análises.
Os comentários sofrem análises prévias para evitar spans. Tão logo sejam identificados, publicarei. Quaisquer dúvidas, verifiquem a Política de Conduta do blog.
Sua opinião e comentários são o termômetro do meu trabalho.
Visitem a minha página homônima no Facebook onde coloco muitas curiosidades sobre cinema e algo de séries (se puderem curtir ajudaria)
Bem vindos.
Cinéfilos Para Sempre