quinta-feira, 10 de agosto de 2017

DUNKIRK / DUNKIRK (2017) - REINO UNIDO / PAÍSES BAIXOS / FRANÇA / EUA



A maior vitória numa guerra é sobreviver

1940, Segunda Guerra Mundial, tropas aliadas estão encurraladas em um praia, em Dunkirk, norte da França, à espera de resgate. Enquanto isso aviões alemãs atacam e bombardeiam a praia cheia de soldados e navios que se aproximam para resgate. A intenção aliada era resgatar em 25 %  a 35% da tropa com vida.  Essa é a estória de episódio que mudou a cara da guerra e deu um novo ânimo para aqueles que não acreditavam que o exercito alemão pudesse ser detido.


Uma breve explicação desse episódio: 10 de maio de 1940,  a Alemanha resolve expandir suas recentes conquistas e invade França, Bélgica e Países Baixos. Em 15 maio os países baixos se rendem, permitindo ao exército alemão avançar à costa francesa com intuito de cercar o exército aliado (França Bélgica  e Grã-Bretanha). Cinco dias depois 400.000 soldados encontravam-se encurralados na costa norte da França, chamada de Duquerque (Ou Dunkirk), com o exército alemão à sua frente e o mar gelado às suas costas. Em 24 de maio, o exército alemão, com o aval de Hitler, parou seu avanço. Hipóteses sobre o motivo não faltam. Em 26 de maio, o governo britânico através de seu primeiro ministro Wiston churchill iniciou a famosa “Operação Dínamo”, que consistia em resgatar o maior número de soldados com navios militares e com pequenas embarcações guiadas por civis (em torno de 900). A ideia era que estes pudessem chegar à praia, pois o local era raso não permitindo navios de guerra atracarem para resgatá-los (havia um peier, mas a evacuação era lenta e os navios ficavam a mercê dos ataques). A evacuação compreendeu britânicos, franceses, belgas e canadenses (e indianos, ignorados no filme). 226 navios britânicos foram afundados. Foram destruídos 140 aviões ingleses contra 156 alemãs. Os americanos só entrariam na Segunda  Grande Guerra em 1941.


Dunkirk é o mais novo trabalho do diretor Christopher Nolan (“Amnésia”; “Batman - O Cavaleiro das Trevas”; “A Origem”  ...) que resolveu se aventurar no segmento filme de guerra. E saiu-se muito bem, fazendo com que o filme seja um dos grandes concorrentes ao Oscar de 2018.  Nolan resolveu contar sua história em 3 momentos: o primeiro é passado na praia (no período de uma semana); o segunda é passado por um trio no mar (1 dia) a caminho de Dunkirk  e o terceiro no ar em batalhas aéreas (uma hora - vemos pelas anotações do aviador). Nolan faz um vaivém entre as ações, trocando as situações frequentemente.  Três pontos de vistas diferentes.


Essa vertente de colocar o espectador sem envolvimento emocional com algum personagem é interessante porque o tira da poltrona e o coloca ao lado dos personagens. Não há tempo para desenvolvimento de histórias pessoais. São pessoas comuns, soldados querendo apenas voltar às suas pátrias. Em Dunkirk não vemos o rosto do inimigo, mas sentimos sua presença a cada minuto literalmente (o tic tac de um relógio torna tudo ainda mais angustiante). Vemos o duelo de aviões Spitifires (aliados) e Messserschmidt (alemãs) em batalhas no espaço aéreo. Enquanto os Messserschmidt eram guiados a fazer o maior número de baixas, os dos aliados era o de impedir os bombardeios inimigos espantando-os ou os abatendo. E nesse ponto a equipe de som conseguiu fazer com que os ruídos dos aviões  fossem um personagem a parte dentro filme. Difícil não gelar quando os aviões alemães se aproximavam e os que estavam em terra aguardando o resgate já percebiam de longe. Em seguida os rasantes com aqueles zumbidos estressantes. É o espectador dentro da guerra


Ao optar por reduzir os efeitos especiais e investir no realismo, Dunkirk começa a se diferenciar das produções mais atuais do gênero. Utilizar aviões (e navios) de verdade, colocar suas câmeras na cabine (e nos pilotos), mostrando tomadas aéreas reais, fez a diferença sem dúvida. O espectador se sente em um avião de combate. Por sinal essa parte da história foi a melhor com os pilotos britânicos travando um longo combate com vários aviões inimigos. Como na guerra, ambos os lados sofrem avarias. Perdas acontecem. Mas não há como negar que filmar no próprio local fez a diferença. Edição e montagem excelentes; som e trilha sonora impecáveis (esta última a cargo de Hans Zimmer que deverá ser sempre lembrado como um de seus melhores trabalhos), fotografia impactante com tons cinzentos em alguns momentos (para realçar a sensação de desesperança) e lindas imagens do céu e oceanos com um por do sol inspirado (próximo ao final)


Há os que irão reclamar da falta de personagens que trouxessem um envolvimento emocional ou da opção do diretor em não contar a história de uma forma linear. Mas o  espectador que vai ao cinema o faz para ter uma sensação, ver algo de diferente, caso contrário o conforto do lar e um bom aparelho de tv suprem suas necessidades. O cinema é aquele local reservado para sua completa atenção. São dezenas ou centenas de pessoas compartilhando uma experiência que pode ser de emoção, medo, alegria ou tristeza. Essa é a magia do cinema. Vez por outra há que se sacudir a indústria, tentar algo diferente. Sair da conformidade. Dunkirk faz isso. Agradará a todos? Não. Cada pessoa tem seu modo de entendimento do que é um bom filme. Particularmente acredito que novas abordagens sejam necessárias e este filme traz estes elementos. Cada pessoa de acordo com seu conhecimento e experiência terá uma percepção diferente do filme. Para uns, um filme chato, para outros bom e, terceiros, uma obra prima. E pode ser realmente tudo isso porque quem determina se um filme é bom ou ruim é o espectador, não os críticos.



Dunkirk entrará certamente para os melhores filmes do gênero por sua concepção única. É um espetáculo para ser visto em cinema, até porque foi filmado com câmeras I-MAX.  Na tela pequena muito do seu impacto não será percebido. Uma ótima oportunidade de ver um dos melhores filmes do ano.

Trailer legendado:



Trailer 2 legendado:



Curiosidades:
Filmado na mesma praia onde ocorreu a batalha.

Primeiro trabalho de Harry Styles, ex-vocalista da banda "One Direction".

 







  

O personagem de Kenneth Branagh,  Comandante Bolton, da Marinha Real Britânica Royal Navy, que fica no Píer, seria a junção de vários oficiais durante a evacuação

Christopher Nolan, com sua esposa Emma Thomas e um amigo, fizeram a travesseia da Inglaterra para Dunkirk em uma pequena embarcação, para simular o trajeto que esses barcos fizeram nesse evento. O trajeto levou 19 horas devidas as más condições do mar.

Nolan recebeu $20 milliões de salário e 20 % da participação das bilheterias.

O filme utilizou 50 barcos no mar para as cenas.

O tic tac, utilizado nas trilha sonora, em vários momentos, foi utilizado por Zimmer a partir do relógio de bolso do diretor. Ele colocou em um sintetizador e o utilizou de várias maneiras.

Michael Caine faz a voz que surge no rádio. É o sétimo trabalho que Caine faz com Nolan.

O Homem cego que aparece ao final do filme é feito por John Nolan, tio do diretor. John esteve em vários filmes do sobrinho.

Dunkirk foi filmado na França sob o nome de "Bodega Bay".

Terceira participação do ator  Tom Hardy  em filmes do diretor em que possui cenas com o rosto coberto: as outras duas foram "Mad Max: Estrada da Fúria" (2015) e "O Cavaleiro das Trevas Ressurge" (2012).  

Mark Rylance ganhou o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por "Ponte dos Espiões" (2015).

Tom Hardy foi indicado ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por "O Regresso" (2015).

Kenneth Branagh já foim indicado a 5 Oscars por "Henrique V" (ator e diretor) (1989); "Swan Song" (1992); "Hamlet" (1996) e "Sete Dias com Marilyn" (2011).

Michael Caine "Hannah e Suas Irmãs" (1986) e "Regras da Vida" (1999) e possui outras 3 indicações


Filmografia Parcial:
Tom Hardy
 

 









Falcão Negro em Perigo (2001); Jornada Nas Estrelas: Nêmesis (2002); Maria Antonieta (2006); Bronson (2008); Jogo Entre Ladrões (2009); O Morro dos Ventos Uivantes (Mini-série) (2009); O Espião Que Sabia Demais (2011); Mad Max: Estrada da Fúria (2015); O Regresso (2015); Dunkirk (2017); Star Wars: Os Últimos Jedi (2017); 

Kenneth Branagh

 









Henrique V (1989); Voltar a Morrer (1991); Os Últimos Rebeldes (1993); Os Últimos Rebeldes (1993); Frankenstein de Mary Shelley (1994); Othelo (1995); Othelo (1996); As Loucas Aventuras de James West (1999); Geração Roubada (2002); Harry Potter e a Câmara Secreta (2002); Operação Valquíria (2008); Operação Sombra: Jack Ryan (2014); Dunkirk (2017); Assassinato no Expresso do Oriente (2017)

Michael Caine

 

 
 










Um Golpe à Italiana (1969); Carter - O Vingador (1971); Conspiração Violenta (1975); O Homem Que Queria Ser Rei (1975); A Águia Pousou (1976); O Enxame (1978); Ashanti (1979); Dramático Reencontro no Poseidon (1979); Vestida Para Matar (1980); Fuga Para a Vitória (1981); Armadilha Mortal (1982); O Documento Holcroft (1985); Hannah e Suas Irmãs (1986); Mona Lisa (1986); Tubarão 4: A Vingança (1987); Ensina-me a Querer (1987); Os Safados (1988); Em Terreno Selvagem (1994); Regras da Vida (1999); Miss Simpatia (2000); Austin Powers em o Homem do Membro de Ouro (2002); Batman Begins (2005); A Feiticeira (2005); Filhos da Esperança (2006); Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008); Harry Brown (2009); A Origem (2010); Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012); Interestelar (2014); Truque de Mestre 2 (2016); Despedida em Grande Estilo (2017); Dunkirk (2017).

Cillian Murphy
 

 









Clube dos Suicidas (2001); Extermínio (2002); Cold Mountain (2003); Batman Begins (2005); Vôo Noturno (2005); Ventos da Liberdade (2006); Sunshine - Alerta Solar (2007); Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008); A Origem (2010); O Preço do Amanhã (2011); Poder Paranormal (2012); Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012); Transcendence: A Revolução (2014); No Coração do Mar (2015); Dunkirk (2017); 

Mark Rylance

 






 
Corações de Fogo (1987); Richard II  (2003); A Outra (2008); Anônimo (2011); O Franco-Atirador (2015); Ponte dos Espiões (2015); Dunkirk (2017); Jogador Nº 1 (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Cinéfilos.
Obrigado por visitarem minha página.
Estejam à vontade para comentarem, tirarem dúvidas ou sugerirem resenhas.
Os comentários sofrem análises prévias para evitar spans. Tão logo sejam identificados, publicarei. Quaisquer dúvidas, verifiquem a Política de Conduta do blog.
Sua opinião e comentários são o termômetro do meu trabalho.
Visite a minha página homônima no Facebook
Bem vindos.
Cinéfilos Para Sempre