segunda-feira, 17 de julho de 2017

A GAROTA OCIDENTAL - ENTRE O CORAÇÃO E A TRADIÇÃO / NOCES (2016) - BÉLGICA / PAQUISTÃO / LUXEMBURGO / FRANÇA





Um olhar estrangeiro sobre as tradições

 
Zahira (Lina El Arabi) é uma jovem de 18 anos que vive na França com a sua família de origem paquistã. A jovem muçulmana encontra-se grávida de um jovem árabe e seu irmão está empenhado em ajudá-la a abortar a criança. Além disso, Zahira vem de uma família de valores tradicionais na qual uma mulher não pode ficar solteira. Seu pai lhe dá um ultimato: poderá "escolher" entre 3 pretendentes, pela internet, e casar com aquele que considerar mais adequado. Só que a jovem não vê com bons olhos nenhum dos candidatos. O que deverá fazer ? Abortar? Seguir com a gravidez ? Aceitar os pretendentes ou ter sua própria vida com quem quiser, uma vida já ocidentalizada e, com isso, ferir profundamente a honra de uma família ortodoxa.





O choque de culturas é evidente em "A Garota Ocidental". A honra é outro fator bem destacado dentro deste filme. A mulher não tem voz no contexto familiar. Zahira não aceita. Não está no Paquistão. Está em uma sociedade, como prega a bandeira: igualdade, liberdade e fraternidade. Os valores da sociedade francesa também foram incorporados a sua  personalidade. Mas isso não interessa a seu pai. Mulher solteira na família? Nem pensar. É uma desonra grave que não pode passar em branco. A imagem da família perante os seus pares e a comunidade de seu país é muito forte e arraigada. 


O filme, em cartaz no Rio de Janeiro,  segue um ritmo mais cadenciado, mas é de fácil entendimento. É o olhar ocidental sobre o tema. O que para nossa sociedade, em algumas situações, é considerado  um tanto como absurdo  para aquela cultura é algo normal. É outra sociedade, é outro contexto. O filme foge da questão do julgamento, mas não foge do olhar crítico.   Ele nos leva à uma reflexão das diversas culturas que nos cercam e nos revelam aspectos que podemos desconhecer completamente.


Quem quer tentar entender uma fração deste mundo em que vivemos precisa se inserir nesses temas. Ler livros e ver filmes, entender como o mundo funciona fora de sua redoma. E é isso que a Garota Ocidental nos revela. Uma pequena visão de um mundo,  através de uma família, de uma grande sociedade que pouco conhecemos. E o grande mérito do filme é explicar que tudo que acontece tem um porquê o precedendo, nada ocorre de uma forma inesperada. Para quem está fora é apenas o absurdo do cotidiano, sem uma lógica aparente, mas para quem está acompanhando as situações diárias fica mais fácil de preencher as peças do quebra-cabeças.



O diretor belga Stephan Streker teve o grande mérito de mostrar o extremismo das tradições sem relacioná-las com o momento conturbado em que vive a Europa. A família de Zahira é como qualquer outra, no que se diz a viver em sociedade: são trabalhadores, mantém um negócio honesto e cumprem seus deveres como cidadãos. Não há uma citação sequer sobre a onda de medo que assola o país, não há terroristas envolvidos em causas. Apenas uma família que, mesmo distante de seu país natal, tem em seu patriarca o guardião dos costumes praticados naquele país. Esse pode ser sempre um grande problema para algumas culturas: sair de seu pais, morar fora e não aceitar criar seus filhos dentro de uma nova realidade.  Seja por falta de personalidade ou medo do que a mudança possa causar. Essa incapacidade de adaptação é muito forte no filme. Mansoor Kazim (Babak Karimi) é um homem, aparentemente,  bom. Para o ocidente é um cara duro, ultrapassado e sem capacidade de viver em uma sociedade livre e igualitária. Para ele, suas crenças e valores dizem que deva ser o guardião dos costumes, da moalidade. Não pode envergonhar o nome de sua família. Não pode visitar seus parentes com a humilhação nas costas. Ele é o patriarca, quem determina o que a família deve achar. Zahira é a ovelha negra. Ele a ama, mas até que ponto o amor deva ser sacrificado em prol da tradição ?




O elenco está muito bem. Lina El Arabi, atriz francesa de origem marroquina, conduz muito bem a história ainda que parece ter bem mais do que 18 anos (na verdade possui 22 anos). Ela consegue dar a dramaticidade necessária para o filme fluir. O ator / editor / produtor iraniano  Babak Karimi, que interpreta o pai de Zahira, é outro que consegue se destacar bem. Podemos citar ainda a atriz belga de origem africana (Ruanda), Aurora Marion, interpretando o papel de irmã mais velha da protagonista. O pouco tempo que fica em cena consegue se mostrar uma ótima atriz, mas a diferença física entre as duas é algo perceptível e o espectador ficará curioso do porquê são tão diferentes. A resposta está esclarecida. O restante do elenco saiu-se bem ao que foi proposto.


Garota ocidental, no Original "Noces" (Núpcias), é um filme para quem gosta de assistir produções europeias; para quem gosta de dar uma olhada sobre outras sociedades. Não é um excelente filme, candidato ao "Oscar de Filme Estrangeiro", é um bom filme, com uma estória que poderia acontecer em qualquer lugar do mundo, mudando um pouco a contextualização. A forma como é levada ao espectador é que faz essa produção merecer um olhar mais atento. Um filme bem produzido e  bem dirigido.


Trailer:


Curiosidades:
O filme se diz inspirado livremente em fatos reais.

O filme é falado em francês e Urdu. 

Nos Estados Unidos o filme recebeu  o nome de  "A Wedding".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Cinéfilos.
Obrigado por visitarem minha página.
Estejam à vontade para comentarem, tirarem dúvidas ou sugerirem resenhas.
Os comentários sofrem análises prévias para evitar spans. Tão logo sejam identificados, publicarei. Quaisquer dúvidas, verifiquem a Política de Conduta do blog.
Sua opinião e comentários são o termômetro do meu trabalho.
Visite a minha página homônima no Facebook
Bem vindos.
Cinéfilos Para Sempre