sexta-feira, 23 de junho de 2017

FLORENCE: QUEM É ESSA MULHER? / FLORENCE FOSTER JENKINS (2016) - REINO UNIDO





A estrela que não brilhou
 
Florence  (Meryl Streep) é uma filha de banqueiro cuja inspiração é tornar-se cantora de ópera. Só que existe um detalhe muito complicado: sua voz é terrível. Não consegue manter-se no ritmo e desafina de modo constrangedor. Seu marido, St. Clair Bayfield (Hugh Grant), tenta protegê-la de qualquer embaraço que possa surgir, enquanto divide seu tempo com uma amante. Florence, que não percebe sua total inabilidade para a música, resolve que se apresentará  publicamente. Com a ajuda de um professor e um pianista, ela tentará colocar em pratica seu desejo enquanto seu marido tenta criar uma atmosfera que lhe seja favorável.

 
Filme sobre Florence Foster Jenkins ou "A Diva do Grito", cuja vida foi resgata em 2015 no filme fictício, francês, "Marguerite", uma comédia dramática de muito bom gosto. Aqui temos uma Meryl Streep novamente mostrando que consegue abrilhantar qualquer papel que interpreta. Ganhadora de 3 Oscars e
indicada 20 vezes ao prêmio da academia, Streep, aos 67 anos, faz uma Foster cheia de energia e muito disposta a ser uma diva da ópera. Ao contrário de Marguerite, Florence é um filme realizado em tom de comédia, enquanto a produção francesa trilha pela comédia dramática. 

 
A História de Florence é, no mínimo interessante, sendo desconhecida pela maioria das pessoas, não interessadas em música erudita. O filme retrata Florence como uma mulher rica, cujos sonhos são cantar óperas ou árias. Sempre se apresentou para uma plateia restrita (providenciada estrategicamente por seu marido) para que todos a aplaudissem ao final dos espetáculos, claro, que com alguns mimos de seu marido e as atitudes filantrópicas da anfitriã.

 
Não dá para Falar de Florence sem comparar a "Marguerite", já que as duas produções dividiram as salas em território brasileiro. A pergunta que pode ficar é : Qual das duas produções alcançou melhor resultado? Particularmente eu daria um empate técnico, pois quem deseja ver um filme voltado mais para o drama, com pitadas de humor mais sofisticado, optará pela produção francesa, mas se o espectador estiver a procura de uma diversão leve e divertida deverá preferir Florence. 

 
As diferenças entre as produções são várias: a interpretação das duas atrizes são um motivo para ambas as produções serem assistidas. Se a atriz francesa Catherine Frot nos traz aquele ar de melancolia e solidão, Streep nos brinda com momentos alegres que são mais escassos em "Marguerite". Quanto ao elenco masculino a situação talvez seja mais difícil de se analisar: o ator André Marcon (como Georges Dumont) faz um marido que tem vergonha da esposa, a trai e arruma situações para evitar estar presente nas apresentações, em situações divertidas, como sabotar o prórpio carro para este deixá-lo no meio do caminho. Hugh Grant faz um St. Clair Bayfield igualmente traidor, mas que tem um amor muito forte pela esposa fazendo de tudo para que esta se sinta uma mulher amada. Georges Dumont deixa claro que a vida e comodidade lhe convidaram a um casamento. St. Clair deixa subentendido, mas dedica à esposa uma fidelidade moral. No final ambos realmente gostam de suas esposas (com uma dualidade muito grande nesse assunto).

 
Quanto a questão da pessoas que ajudarão a milionária realizar o seu desejo temos dois personagens distintos: Cosmé McMoon que é o pianista, numa ótima interpretação do ator Simon Helberg  do seriado  "The BIg Bang Theory" e o ator David Haig como maestro de Marguerite. Haig levou vantagem por ser um personagem que deveria ser uma força de humor na produção francesa e que aqui funcionou melhor. Em contraponto Marguerite tem um diferencial: o ator Sylvain Dieuaide como mordomo e protetor, numa caracterização excelente. E claro, o final, dramático em Marguerite e suave em Florence. Há diversos outros aspectos como a bela fotografia francesa, a caracterização de época (excelente nas 2 produções).




Marguerite apresenta melhores peças clássicas, mas é ambientado na França e em outra época. Florence mostra o real motivo da doença da personagem e Marguerite cria outra vertente. Essas diferenças é que tornam os dois espetáculos dignos de uma boa conferida.


 
Florence é uma produção inglesa (mas o filme é ambientado em Nova York) com atores consagrados e uma história muito bem dirigida pelo cineasta Stephen Frears, que já passeou por algumas produções de épocas como "Ligações Perigosas" (1988); "O Segredo de Mary "(1996) e "A Rainha" (2006), todos com bons resultados. 
O filme é indicado para pessoas que apreciam uma comédia sem humor escrachado, onde a produção apresenta um bom gosto do início ao fim. As presenças de Streep e Hugh deram toda consistência que a produção precisava e é um passatempo que vale a pena ser conferido.


Trailer:







Curiosidades:
Simon Helberg  tocou as peças de piano, sem ajuda de um músico.

Meryl Streep  utilizou sua própria voz para o filme.

O Ator Hugh Grant foi envelhecido para fazer par com Streep.

Na vida real Florence Foster Jenkins  fez apenas uma gravação.

Na vida real Florence Foster Jenkins queria ser pianista, mas uma lesão no braço a impediu de seguir carreira.

Filmado em Liverpool e  Londres, Inglaterra.

Hugh Grant and David Haig atuaram juntos em  "Quatro Casamentos e um Funeral" (1994) e "Amor à Segunda Vista" (2002).

Meryl Streep ganhou os Oscars por :ganhou por três vezes:  Kramer vs. Kramer (1979), A Escolha de Sofia (1983) e a A Dama de Ferro (2011).

O diretor Stephen frears já foi indicado a 2 Oscars: "Os Imorais" (1990)  e "A Rainha" (2006)


A Verdadeira Florence

 















O cartaz do filme Marguerite

 




















 Filmografia Parcial:

Meryl Streep :
O Franco Atirador (1978); Kramer vs. Kramer (1979); A Mulher do Tenente Francês (1981); A Escolha de Sofia (1982); Amor à Primeira Vista (1984); Entre Dois Amores (1985); A Difícil Arte de Amar (1986); Ironweed (1987);Ela É o Diabo (1989); Lembranças de Hollywood (1990); Um Visto Para o Céu (1991); A Morte lhe Cai Bem (1992); A Casa dos Espíritos (1993); O Rio Selvagem (1994); As Horas (2002); O Diabo Veste Prada (2006); Mamma Mia! (2008); A Dama de Ferro (2011); O Doador de Memórias (2014); Florence: Quem é Essa Mulher? (2016); Mary Poppins Returns (2018).


Hugh Grant
Incontrolável Paixão (1987); O Despertar de uma Realidade (1988); As Noites de Bengali (1988); Lua de Fel (1992); Quatro Casamentos e um Funeral (1994); Nove Meses (1995); Razão e Sensibilidade (1995); O Outro Lado da Nobreza (1995); Medidas Extremas (1996); O Diário de Bridget Jones (2001); Simplesmente Amor (2003); Letra e Música (2007); Cadê os Morgan? (2009); O Agente da U.N.C.L.E. (2015); Florence: Quem é Essa Mulher? (2016); As Aventuras de Paddington 2 (2017).
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Cinéfilos.
Obrigado por visitarem minha página.
Estejam à vontade para comentarem, tirarem dúvidas ou sugerirem análises.
Os comentários sofrem análises prévias para evitar spans. Tão logo sejam identificados, publicarei. Quaisquer dúvidas, verifiquem a Política de Conduta do blog.
Sua opinião e comentários são o termômetro do meu trabalho.
Visite a minha página homônima no Facebook onde coloco muitas curiosidades sobre cinema e algo de séries.
Bem vindos.
Cinéfilos Para Sempre